Politica

Bolsonaro não passará cargo ao vice-presidente Hamilton Mourão antes de cirurgia.

Publicada em 05/09/19 às 15:37h - 2917 visualizações

por Grupo Bom Dia.


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Divulgação.)

O presidente Jair Bolsonaro já avisou ao vice-presidente Hamilton Mourão que não pretende se licenciar da Presidência e passar o cargo a ele durante o período em que estiver anestesiado para a cirurgia marcada para o próximo domingo (8). Bolsonaro será operado pela 4º vez após facada no abdômen durante campanha à Presidência, em setembro do ano passado.

O protocolo, inicialmente, previa que o presidente-paciente, deveria se licenciar do cargo no período da anestesia. Hamilton Mourão assumiria a Presidência da República de domingo (8) até quarta-feira (11).

Na cirurgia a que foi submetido no fim de janeiro, para a retirada da bolsa de colostomia, Bolsonaro se licenciou do cargo por 48 horas. Porém, em outra cirurgia, de emergência quando se configurou o quadro de emergência por conta de uma aderência na região da cirurgia, Bolsonaro já não transmitiu o cargo ao vice. É o que acontecerá agora.

Já no início do governo, o presidente Bolsonaro, e particularmente seus filhos, não gostaram da desenvoltura do vice Hamilton Mourão. Ele concedeu seguidas entrevistas, a ponto de o presidente Bolsonaro recomendar ao vice mais cautela, e fazer declaração pública neste sentido.

O caso de transmissão do cargo ao vice que causou maior repercussão foi há muito tempo, quando o então presidente João Figueiredo se afastou do cargo por mais de 30 dias para ser submetido a cirurgia no coração. Na época, assumiu o vice-presidente Aureliano Chaves que adotou agenda intensa de viagens pelo país e muitas audiências a políticos, contrastando com o estilo sisudo de Figueiredo.

A equipe de Figueiredo não gostou do desempenho do vice, especialmente quando ele resolveu enquadrar ministros, como o da Fazenda, Delfim Neto. Numa viagem para verificar os danos de enchentes na região Sul, Aureliano foi a Santa Catarina e exigiu a presença de ministros na viagem. Foi quando a chuva em Florianópolis caía forte e, mesmo contrariando a opinião do comandante do avião, Aureliano determinou que o avião pousasse naquela cidade. Foi uma grande polêmica à época, já que colocou em risco toda a comitiva presidencial.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (17) 98104-5704

Visitas: 9249232
Usuários Online: 252
Copyright (c) 2019 - Acorda Catanduva